Utilizando
Wordfence

Nesse artigo, a ideia é armazenar diversas informações pertinentes ao uso e configurações do Wordfence e através de uma série trazer a tradução automática para o português da documentação do plugin. Nem toda a documentação estará aqui completa, pois tomarei como base minhas próprias dúvidas e a de eventuais clientes, que no que diz respeito à segurança de TI, somo todos iniciantes.

Não sou especialista em segurança cibernética. Sou designer, desenvolvedor web e jornalista. Além de curioso, por natureza. Então, juntando minhas duas últimas qualificações, saio pela rede investigando tudo o que posso sempre quando deparo com algum problema ou quando estou em busca de novas soluções. Logo, o que escreverei nos posts relacionados ao Wordfence e, eventualmente, sobre outros plugins terão por base a minha experiência e a documentação oficial de seus desenvolvedores.

Não estarei, ao menos nesse momento, seguindo, uma ordem de documentação, mas, partirei do ponto onde encontrei um problema que ainda estou testando. Fiquei preso do lado de fora de casa.

Instalei um plugin de reCaptcha – o Advanced noCaptcha & invisible Captcha – para reforçar a segurança nos formulários de “Fale Conosco” e comentários de posts. Mas, afoitamente, aproveitei e pensei: “o que custa também acrescentar outra camada de proteção aos formulários de login na administração do site?!” e pimba!… fui lá e marquei a caixinha habilitando a proteção de login. E assim fiquei batendo na porta e ninguém me deixava entrar.

Como entrei? Outra hora, conto. Mas, consegui entrar, sem fazer bagunça e sem arrombar as portas. Assegurei que o plugin de reCaptcha estava desativado e voltei lá no Wordfence para rever suas configurações. E aqui estou eu, escrevendo esse post, pois assim nunca mais esqueço (não esqueço mesmo!) as configurações que estou adotando e tomando como padrão, ao mesmo tempo que me esclareço através da documentação oficial do plugin.
Quem se interessar em ler no original, pode ir direto lá.

Mas, vamos começar a série no próximo post: Proteção contra força bruta. E de lá seguimos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *